A vida não presta – Léo Jaime

A vida não presta

A vida não presta é uma das musiquinhas de Léo Jaime que ouvia quando era pequeno e muitas lembro da letra sem nem pensar muito. Realmente os anos 80 foram sensacionais.

Mais uma faixa dos covers feitos em meio a bagunça do dia a dia.

Composição: Leandro/Leo Jaime/Selvagem Big Abreu

Você vai de carro prá escola
E eu só vou a pé
Você tem amigos à beça
E eu só tenho o Zé…

Prá consolar
As tardes de domingo
Que eu passo à sofrer
Sonhando em ter
Um carro conversível
Prá você me querer…

Quantas noites
Em claro eu passei
Tentando te esquecer
Quando à noite
Eu consigo dormir
Eu sonho é com você…

A me dizer:
Prá não ter ilusões
Que entre nós não pode ser
E é mesmo assim
Nem mesmo no meu sonho
Eu posso ter você prá mim…

Eu tentei naquela festa
Você fugiu de mim
E eu pensei:
A vida não presta
Ela não gosta de mim…(2x)

Eu pensei:
Ela não gosta de mim
Oh! Oh! Oh! Oh!
Ela não gosta de mim…

Eu pensei:
A vida não presta
Ela não gosta de mim
Oh! Oh! Oh! Oh!…

Eu pensei:
A vida não presta
Ela não gosta de mim
Uh! Uh! Uuuuuuuh!…

Zé Ninguém – Versão Camisa Preta

Luciano Nunes Sombra

Zé ninguém é uma letra que desafia a pensar

Filho da geração coca-cola ou um Zé Ninguém? Tenho eu que reconhecer que certas bandas fazem com que alguns cérebros passem a  funcionar. E esta letra é daquelas. Os anos tem passado e pouco tem mudado. Não sei exatamente onde é que estamos fazendo errado, mas temos que começar a achar sentido a todo este tempo desperdiçado.

Ou vivemos uma nova realidade ou vamos continuar sendo amordaçados. Gravar esta música foi um dos passos para voltar a vê-la sendo ouvida e é claro, homenagear aqueles que me acordaram e para que mais gente se ilumine e entre nesta corrente.

Se quiser ouvir mais músicas, visite meu perfil no SoundCloud. Veja mais postagens clicando aqui

Letra Zé Ninguém

Quem foi que disse que amar é sofrer? Quem foi?
Quem foi que disse que Deus é brasileiro
Que existe ordem e progresso
Enquanto a zona continua no congresso?

Quem foi que disse que a justiça tarda mas não falha?
Que se eu não for um bom menino, Deus vai castigar
Os dias passam lentos aos meses seguem os aumentos
Cada dia eu levo um tiro
(Que sai pela culatra
Eu não sou ministro, eu não sou magnata)

Eu sou do povo, eu sou um Zé Ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé Ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Quem foi que disse que os homens nascem iguais?
Quem foi que disse que deputado não ganha mensalão
Se tudo aqui acaba em samba?
No país da corda bamba, querem me derrubar!

Quem foi que disse que os homens não podem chorar?
Quem foi que disse que a vida começa aos quarenta?
A minha acabou faz tempo, agora entendo porque
Cada dia eu levo um tiro
Que sai pela culatra
(Eu não sou ministro, eu não sou magnata)

Eu sou do povo, eu sou um Zé Ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé Ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé Ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé Ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Os dias passam lentos
Os dias passam lentos
Cada dia eu levo um tiro
Cada dia eu levo um
Eu não sou ministro, eu não sou magnata

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Eu sou do povo, eu sou um Zé ninguém
Aqui embaixo, as leis são diferentes

Que leis?

Written by Bruno Gouveia, Miguel Cunha • Copyright © Universal Music Publishing Group

Primeira música de 2017: Donos do Senado

Em um ano onde tudo girou sobre política, donos do senado não poderia fugir do tema.

Donos do senado são aqueles que chegaram primeiro. Lembro que quando fiz a primeira frase ela saltou da mente sem muito controle  e logo fiquei pensando: Vou começar uma música falando de maconha? Pois bem. Como chocar tão rápido quanto colocando o assunto já no começo?

Então dai larguei a música parada e em um dia escuro acabei fazendo o restante dela enquanto gravava ao vivo esta base. Estou aprendendo a usar o Garage Band ainda e não tenho a menor noção de quando é que vou conseguir aprender corretamente. Mas tenho me arriscado.

Segue a letra abaixo e o resultado do que sai de Donos do Senado. Espero que gostem, não espero que entendam a principio, mas espero que respeitem.

Os caras da escola me ensinaram a colar
A passar de ano sem matéria estudar
Matar a aula e sair pra ir namorar
Colocar o nome no trabalho que nem sei como apresentar
os manos do bronx me ensinaram  fumar
fazer aquela perna de grilo pra poder relaxar
fazer aquele rolezinho quando o trampo acabar
deixar o stress de lado, não deixar me dominar
os miguxos da mada me ensinaram a cheirar
fazer a carreirinha, uma aqui, outra acolá
deixar a fome de lado e recomeçar
virar a noite alucinado sem conseguir parar
os brodi de brasa me ensinaram a roubar
Derrubar inimigo sem o topete amassar
fazer textão no facebook sem a dilma insultar
um acordo, um coronel pra minha vaga conquistar
Dia a dia modelado
aprender a sofrer calado
Tomar tiro aprendizado
posso ser condecorado
ninguém é condenado
Filhos de um deputado
posso fazer o que quiser
ser eu for o dono do senado
O dono do Senado
O dono do Senado
Notas CIFRA
B# Bm Em
B# Bm Em
B# Bm Em
B# Bm A
B# Bm Em
B# Bm Em
B# Bm Em
B# Bm A
B# Bm Em
B# Bm Em
B# Bm Em
B# Bm A
G F#